quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Felicidade de imigrante

Imigrante é um ser humano engraçado, tudo para ele é motivo para exageros.
Quando sente saudade, morre de saudade.
Quando sente solidão, morre de solidão.
Quando sente felicidade, morre de felicidade.

Kalil adora cozinhar e sempre faz uns pratos bem gostosos para nós. Ele adora fazer kare para nós que é um prato japonês que conhecemos no Japão e que é a coisa mais delícia do mundo. Ele se aperfeiçoou por várias tentativas e agora já acerta todas as vezes sem nem precisar olhar receita.
Ele faz um macarrão ao pesto magnífico que, inclusive, ele faz o próprio pesto. Nenhum pesto é tão maravilhoso quanto o que ele faz.
Ele faz um risoto que é de comendo rezando, chorando e sorrindo. É o MELHOR risoto da vida.

Mas um dia eu fui trabalhar e ele quis fazer uma surpresa para mim.
Eu amo essas comidas mais elaboradas, mas eu AMOOOOO comida simples do dia a dia.
Com o que ele me surpreendeu?

WAIT FOR IT!!!!!

Arroz, franguinho grelhado e FEIJÃO CHEIO DE ALHO, CEBOLA E BACON.
Vocês não tem ideia o quanto eu comi daquilo e o quanto eu me deliciei! Eu comia rindo, não consegui parar de sorrir um minuto! 
Foi a coisa mais maravilhosa e a melhor surpresa que ele poderia ter feito.

Mas vocês devem estar pensando: nossa, tanta felicidade por isso?

GENTE!!!! Eu não comia uma comidinha assim caseira há mais de quatro meses! Aqui não é como no Brasil que você vai ao supermercado e tem bancadas e bancadas de verduras e legumes, você não vê restaurante vendendo esse tipo de comida. Aqui todos comem bem, mas aqui é um país frio. Não tem comidinha de casa na mesa todo dia. Sei que feijão não é legume ou verdura, mas não temos tantas opções de trazer nossa cultura para dentro de casa.
Um bandeija de 390g de quiabo aqui é quase cinco dólares. Outro dia comprei UM pimentão vermelho e paguei 1.90cad. As opções são poucas e o preço não é lá tão baixo assim.
Então aquela comidinha simples me fez tão feliz e vou lembrar dela pra sempre!!!

Eu inclusive encerrei a noite falando para ele com a maior sinceridade que achei dentro de mim: Mo, você me fez feliz com esse feijão hoje que nenhum kare ou risoto fez NA HISTÓRIA!

Juro!!!! hahahahaha

Beijo, people!

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Trabalhando!!!!

Sim!!! Estou trabalhando e muito feliz, graças a Deus! Foi realmente um parto conseguir, mas deu tudo certo.

Antes de sair do Brasil eu tinha para mim que eu não queria trabalhar em restaurante, bares ou lanchonetes. Não queria ter que ficar com o cabelo cheirando a comida e gordura para todo o sempre. Eu queria trabalhar em loja de roupa. Mas ao mesmo tempo, eu também não queria necessariamente atender cliente o dia todo. 

Quando cheguei aqui, tive uma certa oportunidade de tentar alguma coisa de cara em um banco daqui. Porém, minha falta de experiência profissional canadense me atrapalhou e eu parei de tentar apenas esse tipo de trabalho em escritório e passei a tentar coisas em lojas também, até porque estava chegando o final do ano e as oportunidades estavam crescendo (ou pelo menos era o que eu estava pensando).

Comecei a me candidatar para muitas lojas no site de empregos daqui e no Linkedin, mas eu não estava recebendo resposta nenhuma, nenhuma mesmo. Era desesperador, porque eu estava no Canadá há quase três meses e não conseguia nada. 

Uma noite eu perdi a paciência e decidi de uma vez por todas que alguém tinha que me ligar para uma interview nem que fosse para não me contratar, mas alguma ligação eu tinha que receber, NÃO ERA POSSÍVEL.
Me candidatei, sem exagero, para mais de cinquenta vagas em lojas em certos lugares de Toronto. Mandei meu currículo (resume, como eles chamam aqui) para milhões de lojas no centro, no shopping próximo daqui e um shopping que tem uma estação de metrô dentro, o que seria mais fácil para mim, já que eu e o Kalil passamos um perrengue sem tamanho para arrumar esse apartamento que a gente mora aqui no centro. Eu queria de verdade alguma coisa que fosse aqui bem próxima e que eu pudesse ir a pé e voltar a pé, mas na altura do campeonato eu não estava podendo escolher não.

No dia seguinte eu comecei a receber ligações e aquilo me deu uma animação sem tamanho. Tive uma entrevista pessoalmente no mesmo dia seguinte no final da tarde e eu tinha certeza que a pessoa ia me ligar e me oferecer a vaga, mas ela não ligou e até hoje eu não entendi porque, já que a entrevista foi ótima, ela pareceu gostar de mim e eu até fiz uma piada (e ela riu). Mas tudo bem, foi minha primeira entrevista em inglês e eu me saí bem.

Aí recebi mais algumas ligações e fui encaixando todas durante a próxima semana e fazendo um calendário com todos os horários.

Minha primeira oferta veio de uma loja bem legal no shopping longe de casa e que eu podia acessar por metro, mas o horário era overnight, ou seja, ou eu trabalharia na madrugada ou teria que pegar bem cedo, o que sinceramente era mais ou menos o que eu queria mesmo, aí não teria que lidar diretamente com cliente (o problema, e que eu só descobri depois, é que o metrô só começa a funcionar a partir de seis da manhã e a mesma coisa acontece com algumas linhas de onibus, imagina a merda!).
Nesse mesmo dia que eu fiz a entrevista e a moça disse que me enviaria a proposta por email para eu aceitar, eu fiz uma outra entrevista em uma loja aqui perto de casa.
Conversei com a moça e foi bem legal mesmo. Ela também me ofereceu a vaga e disse que me enviaria por email para eu aceitá-la.

Cheguei em casa aquele dia no céu, duas entrevista e duas propostas!! O salário era o mínimo, óbvio, mas o que diferenciava uma da outra é apenas a distância de casa e foi exatamente isso que eu levei em conta. 

No final das contas escolhi a loja que estou trabalhando agora. Eu vou a pé e volto a pé todos os dias. São apenas vinte minutos de caminhada e eu to simplesmente AMANDO!!!

Trabalho numa loja que chama American Eagle Outfitters e é uma marca que eu já conhecia. 
Para falar bem a verdade, todas as vagas a que me candidatei foram para lojas que eu sou realmente consumidora e que me identifico, então nas entrevistas era até bem clichê falar isso, mas era a verdade.

Eu trabalho com estoque e meu trabalho nada mais é do que ajudar a deixar a loja bonita e com os produtos disponíveis.
Já trabalhei overnight apenas uma vez que foi quando refizmos a loja inteira, ou seja, tiramos tudo da loja e colocamos todas as novas coisas. Foi beeeeeeeeeeeeeeeeem cansativo e eu pensei que eu ia adoecer naqueles dois dias, mas foi bem interessante a experiência e já me coloquei a disposíção para as próximas vezes.
Pego serviço às seis da manhã pelo menos uma vez por semana que é quando chegam caixas novas e a gente tem que separar, colocar as tags de segurança e organizar na loja ou voltar para o estoque. É cedo? É cedo, mas eu vou ser sincera e falar que eu adoro. Eu não sou uma morning person, mas estou me descobrindo tão diferente aqui (depois eu falo sobre isso).

Eu recebo por hora, o que é bem inteligente, para dizer a verdade, porque eu me sinto bem mais motivada a trabalhar do que me sentia no Brasil recebendo um salário fixo por mês.
Meu salário é pago a cada duas semanas e eu recebo diretamente na minha conta.

Os shifts (escalas) são lançadas semanalmente num aplicativo que eu acesso pelo meu celular, então lá eu consigo ver quais são meus próximos shifts, o que não quer dizer que eles não possam me chamar em um dia que meu shift não estava lançado. 
Nesse app é possível transferir shift, então se a Ana não quiser/puder trabalhar amanhã e nós duas entrarmos num acordo que eu cubro ela, ela pode me transferir e eu aceito direto no app e vou no lugar dela. 
Esse aplicativo é muito inteligente, prático e interessante, porque lá em consigo acompanhar também as horas de trabalho e pedir dias off.

Posso dizer que esse trabalho não é dos meus sonhos, espero não estar trabalhando lá e fazendo a mesma coisa pelo resto da vida, mas estou muito feliz. Eu tenho crescido muito. Meu inglês está melhorando, eu estou conhecendo pessoas novas, me inserindo em uma cultura diferente e tem sido um aprendizado muito legal.

Minha vaga é para estoque, mas eu sempre ajudo clientes quando estou no floor mexendo em alguma coisa e eu sempre fico ridiculamente feliz quando isso acontece, é uma pequena vitória para mim naquele dia. Inclusive já me ofereci para trabalhar com atendimento se isso significar receber mais horas para trabalhar. 

O pessoal que eu trabalho é ótimo, as gerentes são ótimas, o clima é ótimo. Elas me motivam, me agradecem pelo trabalho que eu sou paga para fazer, me elogiam e isso é a coisa mais besta do mundo mas é isso que faz um gestor ter uma equipe feliz.

Bom, é isso. Espero que o texto tenha feito sentido e que eu não tenha apenas jogado as palavras. 

Depois volto mais, ta?! 

Um beijo!!

ps. como tinha largado o blog esses últimos meses fiquei muito tempo sem escrever. Estou trabalhando desde novembro =D

domingo, 7 de janeiro de 2018

Vou voltar, prometo!

A última vez que eu escrevi aqui foi no final de outubro e de lá para cá muita coisa aconteceu e eu não compartilhei aqui. 

Prometo que vou voltar a escrever, mas que provavelmente muita coisa depois de dezembro virá sem fotos, porque o frio é tanto que não me arrisco a tentar tirar fotos (até porque o telefone desliga também nas temperaturas baixas),
Mas eu não quero deixar mais uma coisa que eu gosto de lado porque meu comprometimento é algo inexistente.

Vou fazer uma listinha das coisas que quero atualizar aqui e nos próximos dias eu vou escrevendo, ok?!

Beijo!

domingo, 29 de outubro de 2017

Path - a cidade subterrânea torontoniana


Gente! Sério! A cada dia eu me surpreendo mais com essa cidade. 
Eu já sabia da existência da cidade subterrânea aqui, mas eu nunca tinha pensado na dimensão dela.
Quando viemos em 2015, a gente meio que viu um pouquinho de nada do Path (é o nome da cidade subterrânea, ta?!). Quando a gente é turista a gente não presta muita atenção nas coisas, a gente só quer saber de conhecer os pontos turísticos, comer e fazer compras, ne?! Mas isso não é errado, a viagem turística é diferente mesmo do dia a dia da vida no geral.
(Divaguei um pouco, vamos voltar).

Para quem não sabe, algumas cidades de países de primeiro mundo tem as "cidades subterrâneas" para ajudar na época do frio intenso (procurei na internet e acho que tem mais, mas só consegui achar as cidades subterrâneas de Toronto e Montreal no Canadá e em Tokyo no Japão. A do Japão também é muito interessante. Eu e o Kalil conhecemos quando fomos lá, mas é bem diferente daqui. Os enormes corredores de Tokyo ligam centros comerciais a estações de metrôs mas é basicamente isso. Calma que vou mostrar como que é aqui em Toronto).
Eu já tinha comentado com o Kalil que eu queria ver o mapa do Path porque, até onde a gente sabia, ele ia de um lugar ao outro, acabava e começava de novo em outro lugar, e vamos ser sinceros, isso não faz o mínimo de sentido porque o Path perderia totalmente o propósito que é facilitar a vida das pessoas no frião, mas eu sempre me esquecia de olhar na internet.

Ps. aqui: o frião chegou, ta?! Não frião de inverno tipo temperatura negativa, mas estamos pegando 8o com sensação de 6o ou até menos. Então, assim, tipo, estou sofrendo já, porque ainda estou aprendendo a me vestir e posso falar que tenho acertado em 60% das vezes, ou seja, em 40% das vezes eu congelo.

Eu e o Kalil estamos morando no centro e definitivamente está sendo uma experiência louca demais. Todo dia a gente conhece uma coisa nova sem querer e hoje não foi diferente.

Como estamos na semana do aniversário do casal, estamos nos permitindo certas estripulias e hoje foi dia de... MC DONALD'S! Yeyyyyyy. Só que aqui o domingo é igual domingo de todo lugar, nem tudo abre e se abre fecha bem cedo.
Fomos no Mc Donald's de um lugar aqui perto e fica em um prédio aqui no centro que chama Brookfield Place (tem um prédio em NY com esse mesmo nome). Esse prédio fica ligado à Union Station pelo Path e a e gente também descobriu isso sem querer.  Chegando lá ele estava fechado.
Kalil olhou no google um outro Mc Donald's aqui no centro que estivesse aberto e tinha um que ficava a 20 min a pé de onde a gente estava, ou seja, a gente tinha que andar no frio que estava lá fora. Poréééééém, o Kalil viu que o Google Maps mandava a gente ir pelo Path. 
"Uaiiiiiii, tem Path daqui até lá?" Uhuuuuuuu, então era aquilo mesmo que a gente pensava, o Path liga vários pontos do centro da cidade de forma contínua. Nossaaaaaaa, foi a descoberta do milênio, vocês não tem ideia!!!!!

E olha só o que achamos! Estava na nossa cara TODOS OS DIAS e a gente não via:

O mapa do Path!!!!! 

Olha a imensidão desse trem, gente!!!!!! São 30km de corredores ligando 75 grandes propriedades  do centro da cidade e que são acessados por 200.000 pessoas POR DIA!!! Vou mostrar para vocês onde a gente estava e para onde fomos sem sentir um pingo de frio, tudo por debaixo da terra em corredores de um verdadeiro shopping, ou seja, cheio de lojas, restaurantes, agências de bancos, banheiros limpíssimos (sim, usei).

Tive que fazer o caminho pelo Google Maps porque não consigo editar no mapa do Path, gente?! Falta proficiência na edição, foi mal.

É muito sensacional isso, de verdade. O principal shopping do centro, o Eaton Centre, fica há uns trinta minutos daqui a pé a agora podemos ir lá sem problemas de frio e de chuva também, ne?! Isso é uma mão na roda sem fim, gente. A gente também ganha tempo que não tem que ficar atravessando rua e esperando sinal abrir e fechar e etc.

É uma notícia ótima para quem tem planos para nos visitar aqui, porque pode incluir o inverno tenebroso na lista.

Tem alguns pontos que ainda não tem o Path, mas estão no planos. Aqui no nosso prédio não tem o Path, apenas o projeto dele, então a gente tem que sair na rua para acessar a Union Station ou o Mapple Leaf Square que são lugares que estão ligados ao Path, mas como a gente só tem que atravessar a rua LITERALMENTE para nós não tem problema. 

Então, people, considerem vir no inverno porque a dificuldade será menor do que eu imaginava, viu?! É lógica que algumas coisas vocês terão que enfrentar o frio porque são coisas que ficam ao ar livre, a minha linda amada CN Tower por exemplo, mas até a gente chegar lá, podemos ficar quentinhos no Path e passar frio o menor tempo possível.

É isso, gente! Espero que estejam gostando. Gentileza dar o feedback se eu estiver escrevendo confuso, ta?! Mas é que empolgo e vou escrevendo como se eu tivesse contando para um amigo sentado e tomando uma cerveja.
Beijo!!!







quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Toronto Island

Dei uma sumida, eu sei. Foi mal, mas estou focada na procura do emprego e meu tempo no computador é para isso. Estou procurando tanta coisa e fazendo tanta aplicação que já estou sonhando com isso durante a noite hahahah... Mas daqui a pouco aparece uma coisa bem legal e eu conto para vocês. 

Então bora pro post? Bora.

Dentre os lugares que estavam na minha lista de lugares para visitar por aqui estava a Toronto Island. 
Quando viemos para cá há dois anos eu não sabia da existência desse lugar, mas nas pesquisas dos últimos meses eu vi que é um ponto fantástico e fiquei com uma vontade imensa de conhecer. Dizem ser uma das vistas de Toronto mais bonita. Achei bem charmosa mesmo, viu?! No final do post eu coloco a foto no inicinho da noite.

Toronto Island vista do ferry.

Já tem um tempinho que fomos lá, mas vou postar aqui as fotos e algumas diquinhas que eu mesma seguirei na próxima vez que a gente for passear lá, porque COM CERTEZA vale mais umas duzentas visitas.

A Toronto Island é uma ilhona (dã) que tem aqui pertinho. Para acessar, você pode ir de ferry da cidade de Toronto ou pegar algumas caronas particulares mais exclusivas. Já li que é um passeio bem divertido, mas acho que mais legal seria ir com um grupo fechado. Esses transportes exclusivos são barquinhos com música, com bebidinhas e comidinhas. Caso o Kalil tope fazer isso um dia (duvido muito), eu posto aqui.

Olha um dos barquinhos particulares ai. 
Fui burra e não tirei foto do ferry, people, desculpa. Mas é um ferry normalzão, sem nenhuma coisa especial.

Fomos com o ferry da cidade mesmo. A gente chegou lá, entrou na fila e foi isso aí. A primeira das dicas vou dar agora.

1- COMPRE O TICKET DO FERRY PELA INTERNET
Não tem nenhum desconto para compra online, mas só de evitar o filão que a gente teve que enfrentar já compensa. O preço do ticket por pessoa é 7.71cad por pessoa e eles aceitam débito, crédito e dinheiro. 
Para adolescentes, crianças e idosos tem um descontinho também, viu?!
A ilha é super pet friendly, então você pode levar seu pet sem problema nenhum e eles não pagam. Inclusive no ferry com a gente tinha um dog L-I-N-D-O de doer.

A gente foi para a ilha por volta das 14h, então o ferry estava relativamente vazio, então conseguimos dar uma andadinha e tirei uma fotinha nada mal da vista, viu?!

Que coisa maravilhosa, ne!?

Um dos nossos objetivos era explorar a ilha de bicicleta, mas não conseguimos, e agora vem a segunda dica:

2 - CHEGUE CEDO
A ilha é bem grande, apesar de você conseguir andar por ela toda, para você ter tempo de fazer tudo com calma e não morrer na correria, chegue mais cedo para aproveitar tudo.
Pelo fato de termos chegado meio tarde, quando a gente achou a lojinha para aluguel de bicicleta ela estava fechada (que merda) e falo para vocês que conhecer a ilha de bicicleta deve ser MUITO melhor e menos cansativo. Que lugar imenso, JESUS! 
Você até pode alugar as bicicletas da cidade de Toronto e ir com elas sem problemas pelo ferry, mas a gente queria alugar lá e nos ferramos. Chegamos tarde e não conseguimos.
E não só isso. Na hora que decidimos comer, só tinha uma Pizza Pizza (pizzaria simplona que tem aqui) aberta e a fila estava quilométrica, o que nos leva para a dica número três.

3 - LEVE SEU LANCHINHO E FAÇA UM PIQUENIQUE
Pelo que a gente pôde ver, só tinha quatro opções de lugares para comer aberto. Aqui tudo é baseado pela estação, então várias coisas não estão abertas o ano todo. 
Nós não levamos comida e tivemos apenas uma opção para comer, o que não era o que eu queria comer necessariamente, mas depois de caminhar naquela merda imesa por três horas, se eu não comesse eu ia morrer, literalmente.
Então, leve na bolsa um lanchinho, nem que seja uma coisinha.

Pessoal de boas fazendo piquenique na grama.

4 - LEVE ÁGUA
Os lugares que tem restaurantes e lugares para você comprar alguma coisa são lugares específicos. Se você vai caminhar a beira da água, você vai andar por duas horas e não vai ver um lugar disponível para comprar nada. Então leve sua água para não morrer desidratado.

5 - USE REPELENTE
Eu estou me achando demais porque aqui não tem pernilongo então nem me atentei a isso. A Toronto Island é OBVIAMENTE rodeada de água então tem inseto e pernilongo para um cacete. 
Passe repelente para não voltar pra casa todo picado.

Caminho interminável que fomos devorados pelos insetos.
Estão vendo a curva no final dessa porcaria? Eu sempre achava que virando ali ia chegar no fim, mas o fim só chegou depois de duas horas.

6 - SAPATO CONFORTÁVEL, PELO AMOR DE DEUS
Gente, apesar de eu estar reclamando o tempo todo, juro que eu amei o passeio, mas eu fui com um sapato que não era o adequado então matou meus pés aos poucos e a caminhadinha que eu devia ter aproveitado, foi marcada por dores generalizadas nos pés, nas pernas e nas costas. Então sejam mais inteligentes que eu e usem um sapato bem confortável, de preferência de caminhada, ok?!

O lugar é tão lindo e tem tantas coisas para fazer. Vimos três festas de casamento lindas, gente!!! Deve ser a coisa mais linda do mundo casar nessa ilha. Como não entra carro na ilha, você vai de ferry, enche a cara e está de boa! Na volta, o ferry te deixa em uma localização estratégica para taxi ou transporte público. Bonzão!

Desculpa a foto bosta, mas fiquei meio sem graça de tirar foto da festa alheia.

Tudo bem que Toronto não é margeado de um mar, gente, mas onde tem água o que o ser humano faz? Soca areia e faz praia. Num país gelado que o inverno chega até a -40o e menos ainda de sensação térmica, qualquer lugar para aproveitar o sol do verão é bem vindo.
É lógico que não ia faltar uma praia na Toronto Island, ne?! Vou ser sincera e achei bem farofenta, mas no próximo verão, depois de cinco meses de frio de congelar os ossos, com certeza vou achar a ideia bem agradável.


Olha isso, gente!!! Não tem onde mais entrar pessoas, mas elas estão lá e JOGANDO VÔLEI de "praia"!!!



Tem muito lugar para as crianças brincarem e assim como toda Toronto, tudo é limpinho e bem cuidado.

O dia foi ótimo e com certeza vamos voltar com comida e água na bolsa para eu não falecer caminhando, repelente passado para eu não ficar em carne viva e mais cedo para aproveitarmos com bicicleta.

A hora de ir embora merece a última dica:

7 - QUANDO ENTRAR NO FERRY, SE POSICIONE NA FRENTE OU DO LADO ESQUERDO PARA TER UMA VISTA AMAZING DE TORONTO

Foto escura tirada por cima do ombro de alguém que pegou vista privilegiada.

Mas apesar de eu não ter uma foto boa do ferry, eu tenho uma quando a gente estava na fila do ferry para voltar para Toronto e é com ela que eu termino o post.
Um beijo e volte sempre aqui, gente?! Toronto é linda e merece toda a audiência possível.

E para quem está cansado das minhas fotos da CN Tower, gentileza parar de seguir no instagram porque lá tem overdose de CN Tower no stories sempre que eu saio na rua.







quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Vou ser sempre turista

Já tem um mês e meio mais ou menos que chegamos aqui e a cada dia eu tenho mais do que certeza que nunca vou deixar de ser turista.

Tudo aqui é uma lindeza só e eu fico encantada com os prédios, com a natureza, com as ruas...
Não que Belo Horizonte não seja bonita, eu realmente acho que a cidade é linda, principalmente quando a gente olha para cima. Eu trabalhava na Praça Sete e conseguia achar beleza nos prédios, mas é possível tirar o celular e se acabar nas fotos? Não, né, a não ser que você queira dar adeus ao aparelho.

Voltando...
Lá estava eu me sentindo super torontoniana com meu carrinho indo para o supermercado a pé sem contar com ajuda do Google Maps, quando eu me vejo rodeada de lugares pedindo para serem fotografados (foi-se embora minha pinta de residente).

Do lado direito fica a entrada principal da Union Station, a estação central de Toronto. Ela fica na  Front com York. 

Essa foto é no mesmo lugar que eu estava na foto anterior, mas olhando para trás. Olha a CN Tower maravilhosa, eu sou completamente apaixonada por ela. É a coisa mais linda do mundo e por ela ser tão alta é possível vê-la de diversos pontos. Inclusive, no primeiro ape que ficamos quando chegamos aqui, a gente tinha a vista dela beeeeeem pequenininha no fundo. A gente ficou perto da última estação da linha 1. Te falo que era bem distante.
(Kalil puxou minha orelha pela foto da vertical, também não sou fã, mas acho que ficou bonita).

Essa parte fica na Old Toronto, a parte velha da cidade. Esses prédios são na mesma rua, mas dois quarteirões para a frente no sentido leste. No nível da rua temos lojas e nos níveis superiores são residencias ou salas comerciais.
Veja se não é a coisa mais linda.
 
Essa parede pintada (sim, isso é pintura) é a parte de trás do Flatiron Building. Ele se localiza no encontro das ruas Front (a que eu estava andando desde o início das fotos) e a Wellington. 

Essa é a lateral do Flatiron Building. Olha que coisa linda.
  
Essa é a frente do Flatiron Building. Esse prédio é um dos pontos turísticos da cidade. Vários ensaios fotográficos são feitos com o prédio atrás porque ele é realmente muito fotogênico. Inclusive, quando eu estava passando, tinha uma fotógrafa com duas modelos posando na frente do prédio do outro lado da rua.
Este edifício foi constuído em 1892 e custou apenas 18mil dólares. Não é possível visitá-lo por dentro pois tem vários escritórios dentro funcionando normalmente. Entretanto, no subsolo tem um pub chamado The Flatiron and Firkin que eu pretendo visitar um dia. 
Quero chamar a atenção para o constrante entre o velho e o novo. Olha os prédios modernões lá no fundo.
 
Olha que lindo que é o centro de Toronto. Esse caminho é a passagem para a entrada desses prédios. Olha que limpeza e que cuidado com as plantas. Aqui do lado direito fica um supermercado muito bom chamado Metro, ou seja, tem passagem de muita gente por aqui e mesmo assim tudo está impecável.

Esse é o St. Lawrence Market (como é possível ler na própria foto). Tem o estilo do Mercado Central de BH mesmo. Eu ainda não fui visitá-lo muito detalhadamente, mas nesse dia choveu muito quando eu estava voltando para casa e eu entrei para me esconder enquando estiava um pouco. O mercado é bem arrumado e limpo, mas é bem menor que o nosso. 
São diversas lojas que vendem pães, queijos, vinhos, carnes, legumes, verduras... É bem legal mesmo e é um dos pontos turísticos principais de Toronto.


Olha que foto digna de palmas. 
No nível da rua são restaurantes que também estão na minha lista futura para ir.

Para finalizar, essa é vista da saída do supermercado. Veja como o antigo e moderno se misturam. É legal porque a parte mais nova parece um painel ao fundo.
Olha a CN Tower como é imensa.

Então é isso por hoje. Estou adorando bater perna sozinha e ficar tirando foto de tudo. Creio que estou ficando cada dia melhor. As fotos de hoje foram todas do celular. 😃

O outono está aí e eu estou só esperando tudo começar a mudar de cor para fotografar tudo e postar aqui. Tomara que não demore muito!!

Hoje eu postei duas vezes porque fiquei uns dias afastada por causa da mudança.
Nos próximos dias eu vou tentar postar sobre a Toronto Island que eu e o Kalil conseguimos ir há umas semanas. 

Então até a próxima! Beijo!!




Mudamos!

Ai, que felicidade escrever esse post!

Depois de um mês e meio aqui em Toronto finalmente estamos na nossa casinha. Uhuuuuuuuu!!!!

Vou dizer uma coisa: eu nunca imaginei que mudar fosse tão chato! Eu sempre achei que era uma coisa legal empacotar as coisas e colocar tudo no lugarzinho certo quando chegasse no apartamento/casa nova, mas não passa de uma ilusão isso, ne?! (Acho que essa ilusão era só minha, até porque chegamos no ape noo e não tinha onde colocar nada porque não temos mobília hahahahha).

Mas após tanta dificuldade para achar um lugar, finalmente conseguimos encontrar um apartamento com a nossa cara.
Ele é pequeninho, nada parecido com os apartamentos do Brasil, mas é em uma localização tão sensacional que não ligo de ser tão pequeno.

Ta, vamos ser honestos, o apartamento ser pequeno não é tão fácil de lidar como imaginei. 
Depois de nos acomodarmos e etc, estamos na fase de tirar tudo da mala e TENTAR colocar no lugar e está sendo IMPOSSÍVEL.
De duas, uma: ou o apartamento era apenas para uma pessoa, ou eu trouxe muita coisa porque as minhas coisas não cabem!!!! Que desespero. 
E o pior é que o espaço pequeno ainda tem que ser dividido com outra pessoa (lado ruim do casamento).
A gente comprou um gaveteiro com três gavetas e eu tenho direito a uma gaveta e meia apenas. Em meio segundo, uma gaveta inteira já tinha ido para o saco. 
O armário tem meio centímetro para pendurar roupas e três estantezinhas. Minhas roupas já ocuparam quase o espaço todo e eu tenho vontade de chorar toda hora que olho para cima da "cama" e ver que ainda tem mil coisas para tentear alocar. 
Difícil demais!

Mas tudo bem. Toda hora que olho para a janela e vejo a vista eu respiro fundo e me acalmo porque é uma senhora vista, viu?!


Quem disser que tem muito prédio na frente e que a vista nem é tão boa assim está com inveja.

E a localização, meu Deus do céu???? No centrão mesmo. Estamos a alguns passos da CN Tower, a uma esquina do Air Canada Centre e a um quarteirão do lago. 

É, acho que vou deixar pra lá as milhões de coisas que tenho que guardar e ficar sentada tomando chá olhando pela janela!

Beijo e fui!